9 canções que pais e filhos guardam com um laço apertado

Pais SchoolEmbassy

Começar o dia a cantar Atirei o pau ao gato, ou deitar o seu filho ao som do Vitinho, é capaz de não ser muito benéfico para ambos. Na realidade, nem precisa de o fazer. Existe uma vasta lista de canções que os pais gostam, porque os fazem sentir-se bem, e das quais nunca se lembraram de cantar aos filhos. Na escola, é visível também a dificuldade em inovar nas canções que se ensinam às crianças, perpetuando-se o ciclo das mesmas canções de sempre.

Parece explicada a razão pela qual em determinada altura do desenvolvimento, os jovens optem por colocar os auscultadores e fechar a porta do quarto para não partilhar a sua música com mais ninguém. Creem que o resto do mundo, escola incluída, é inapto para apreciar aquela faixa espetacular que não conseguem parar de ouvir. Fazem-no por terem viva na memória a referência da infância, e com ela as vezes intermináveis em que ouviram cantar a Machadinha – e gostaram.

Mas voltemos às boas notícias: todas as crianças, especialmente a sua, devem saber que a canção do bicho papão remonta ao tempo dos dinossauros. O objetivo é que possamos começar a ensinar aos mais novos, canções que gostem para sempre de cantar connosco. Se em alguns segundos não consegue lembrar-se de uma canção que lhe é querida e que o seu filho possa também apreciar, é porque provavelmente já não ouve música como ouvia antigamente. As canções que passam na rádio entre os programas da manhã e o noticiário, dificilmente se encaixam neste perfil, até porque provavelmente não representarão nada de novo.

Imagine-se, no início do ano letivo, a acordar o seu pequeno com estes versos: bom dia amor/dizem as rosas da janela ao ver o sol nascer/bom dia amor, tal como as rosas espero sempre por te ver. Mesmo que a sua afinação seja pior, vai receber mais aplausos que a Carminho e ainda ganha um xi apertado. Arrisque.

Se no final de um dia de trabalho o seu filho faz birra, pegue no Disco Voador e deixe que os Clã lhe mostrem a cantar, porque é que a obrigação de tomar banho, o faz sentir-se tão, tão impaciente: não me chamem à razão/não me ponham a esperar/nem me metam um travão/quando posso acelerar/a vida está aí/e eu quero agarrar. Vai ver que em vez de se chatearem os dois, ainda calçam Asas Delta e acabam a saltar no sofá.

As meninas que ainda não conhecem outro príncipe que não o papá, vão sentir-se num conto de fadas quando o homem da casa perder a vergonha, e cantar a Menina dos olhos de água, do Pedro Barroso: se houver alguém que não goste/não gaste – deixe ficar/que eu só por mim quero-te tanto/que não vai haver menina pra sobrar.

Se optar por ser mais pragmático cante com o Vitorino menina estás à janela e assuma já, que quando ela crescer, eles farão fila não à janela mas à sua porta -felizmente evoluímos bastante. Depois passa.

Se lá em casa os ânimos se exaltam quando se fala em dormir, isso deve acontecer porque as crianças não têm noção, de como o tempo se organiza de forma sequencial. A Margarida Fonseca Santos resolveu bem a questão com a Canção do Girassol que por ser uma história de cantar, também dá vontade de adormecer: Chega a noite e o luar/chega a hora de descansar/dorme em sossego que o dia já vai voltar.


Porque o seu filho é um doce, pode também contar-lhe sobre Zeca Afonso e a mais bonita das canções de embalar: dorme meu menino a estrela d’alva/já a procurei e não a vi/se ela não vier de madrugada/outra que eu souber será pra ti.

Usar a imaginação pode ser uma arma poderosa, se a sua criança que demora a adormecer. Peça-lhe para fazer de conta que está numa praia e lembre-lhe que mil anos são pouco ou nada, para a estrela do mar de Jorge Palma: numa noite em que o céu tinha um brilho mais forte/ e em que o sono parecia disposto a não vir/fui estender-me na praia sozinho ao relento/e ali longe do tempo acabei por dormir.

Se ainda assim nada do que foi escrito até aqui, o faz ir um pouco mais além que o Panda e os Caricas, saiba que guardamos o melhor para o final. Cantar esta canção de Sérgio Godinho, já consta da Lista das 9 coisas que não pode deixar de fazer como o seu filho enquanto é pequeno. Pode cantá-la em qualquer hora do dia, noite ou madrugada. Se o fizer, vai perceber porque é que a linguagem terapêutica dos abraços tem dado tanto que falar: são dois braços, são dois braços/servem pra dar um abraço/assim como quatro braços servem pra dois abraços/e assim por aí fora/até que quando for a hora/vão ser tantos os abraços/que não vão chegar os braços/para os abraços.

A propósito: alguém já conseguiu perceber o nome da menina das pombinhas que andam de mão em mão?

3 comentarios en “9 canções que pais e filhos guardam com um laço apertado

  1. vera campos

    Gosto deste artigo…quantas vezes cantamos em casa’a brincar.Todas as vezes que cantamos a musica do ‘Pedro Gameiro’ da-me um abraço que me conforta…damos sempre um abraço e conforta mesmo,é muito bom….

    Responder
  2. Susana Matos

    Gostei muito deste artigo! Esta ferramenta (cantar) é muito utilizada mas se calhar pouco pensada e este artigo permite refletir e que assim façamos as nossas escolhas em família e utilizemos de forma lúdica uma ferramenta natural e que todos apreciam. Vou divulgar!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *